Os inimigos do Cérebro

09-10-2010 21:38

 

No livro Aumente o Poder do Seu Cérebro (Sextante), o biólogo John Medina, professor da Universidade de Washington, aponta os males que podem prejudicar o desempenho cerebral.

Reportagem publicada na revista veja, no dia 8 de setembro de 2010, na edição 2181, ano 43, nº 36, na seção “Guia Veja”, pg 138.


Sedentarismo: atividades físicas aumentam a capacidade cerebral. Os exercícios levam sangue para o cérebro, transportando até ele oxigênio e glicose, que é fonte de energia. Estimulam ainda a produção da proteína BDNF, que mantém os neurônios conectados.

O que dizem os estudos: praticar exercício aeróbico duas vezes por semana reduz pela metade o risco de demência e em 60% a probabilidade de desenvolver a doença de Alzheimer.

Poucas horas de sono: a privação de sono prejudica a atenção, o aprendizado, a memória, o humor e a agilidade motora. Ela ainda aumenta os níveis de hormônio do stress e acelera o processo do envelhecimento.

O que dizem os estudos: quando um adulto saudável de 30 anos dorme quatro horas por noite durante uma semana, partes da química do seu corpo se assemelham às de uma pessoa de 60 anos. Para retomar a rotina de sono e recuperar sua condição normal, ele levará quase uma semana.

Stress crônico: o sistema de defesa do corpo está preparado para liberar adrenalina e cortisol em situações de perigo iminente. Mas, quando o stress é intenso e prolongado, há danos aos tecidos cerebrais que afetam o aprendizado e a memória de curto a longo prazo.

O que dizem os estudos: adultos com stress crônico apresentam desempenho 50% inferior em testes cognitivos em relação àqueles com baixo nível de stress.

 

Pausa para descanso!!!

Submeter o cérebro a uma mesma tarefa initerruptamente causa fadiga mental e compromete a capacidade de processamento e memorização das informações. ''Após trinta minutos com fones de ouvido, por exemplo, a pessoa deve fazer outra atividade na meia hora sequinte'', explica o neurologista Mauro Muszkat. Abaixo, o tempo máximo que, segundo Muszkat, o cérebro aguenta permanecer na mesmo atividade sem comprometer seu desempenho.

Dirigir: 6 horas.

Assistir à televisão: 3 horas.

Ler: 3 horas.

Jogar videogame: 1 hora e meia.